Mastite

A mastite é uma condição inflamatória da mama, com ocorrência mais freqüente nas primeiras 12 semanas após o parto, que pode ou não ser acompanhada de infecção. Infelizmente, ainda nos dias de hoje, não é raro nos depararmos com mulheres que foram orientadas a suspender a amamentação ou desmamar seu bebê quando em um quadro de mastite. 

As duas principais causas de mastite são a estase de leite e a infecção, sendo geralmente a estase do leite a causa primária, que pode ou não ser acompanhada ou progredir para uma infecção (e a presença de infecção será avaliada pelo médico a partir da sintomatologia). Além da necessidade do uso de medicamentos, principalmente quando falamos dos quadros infecciosos (avaliação e prescrição feitas pelo profissional médico que acompanha a mulher), a drenagem freqüente da mama afetada é de EXTREMA IMPORTÂNCIA para um bom prognóstico. 

👉 OU SEJA, além de não ser recomendada a suspensão da amamentação (e muito menos medicações para secar o leite, como já vi acontecer), uma boa massagem e a drenagem freqüente dessa mama, seja com o bebê mamando ou com o uso de bomba extratora, é parte fundamental do tratamento nos quadros de mastite. 

🤱 Pode fazer mal pro bebê mamar na mama com mastite? Não, é ele, essa sua pessoinha foférrima, aliás, que mais pode te ajudar a resolver a questão da estase de leite. 

🤱 Dói? Sim, em geral tanto a manipulação da mama quanto a amamentação ficam bastante desconfortáveis, por isso, força, foco e fé, é necessário se evitar a piora do quadro!

🤱 O que de diferente também pode acontecer? O gosto do leite nessa mama pode mudar (e as vezes o bebê recusa por conta disso 😱!), ficando mais salgado, em função da alteração dos níveis de sódio no leite.

🤱 Que outras coisas podem ajudar? Há estudos que falam sobre o consumo de probióticos (certas cepas de lactobacilos) que parecem auxiliar no tratamento da mastite infecciosa, além de resultar numa menor ocorrência de mastites de repetição.

Se gostou da informação, compartilhe!

Isa Crivellaro
Fonoaudióloga e IBCLC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *